E Agora Voleibol?

Fonte Sporting CP - link


Quero começar por pedir desculpa pela falta de escrita. Na descrição do blog (que até está meio escondida no menú lateral do lado esquerdo) refiro que não tenho periodicidade de escrita, mas sempre tentei fazê-lo com alguma regularidade. Não estou aqui para ganhar seguidores e faço isto por gosto, mas acho que devia começar por aqui, para ser honesto comigo mesmo e convosco.
Tenho estado algo desiludido com o rumo que as nossas modalidades estão a tomar e, se juntarmos à equação o pouco tempo que tenho disponível, está encontrada a justificação para a minha ausência de textos.
Assim sendo, decidi recomeçar com uma modalidade que me é muito querida.

Com a derrota no Pavilhão da Luz frente ao Benfica, o voleibol perdeu a hipótese de alcançar o primeiro lugar.
Se olharmos para o que foi o campeonato até agora e para o que será daqui até o seu final, eu diria que as chances de o Sporting alcançar o primeiro lugar são impossíveis! O Benfica tem 20 jogos e 20 vitórias, com 5 pontos à maior e vantagem no confronto directo, embora no voleibol o sistema de pontuação seja diferente (uma vitória por 3-2 reparte os 3 pontos pelas duas equipas - 2 para o vencedor e 1 para quem perde), pelo que um empate na classificação seria algo difícil de acontecer.
Por sua vez, o Sporting tem 6 pontos sobre o terceiro classificado e acho difícil que perca esta posição onde se encontra, até porque, até final, receberemos o Espinho, o Fonte Bastardo e o Esmoriz (3º, 4º e 5º classificados, respectivamente), com a deslocação mais difícil a ter lugar em Guimarães. E não me parece que percamos com qualquer uma dessas equipas.


E agora voleibol?

Se eu estivesse no lugar do Gersinho, apostaria todas as fichas na Taça CEV Challenge. 
Não quero com isto dizer que teremos hipóteses de a vencer, visto que estão lá equipas bem mais fortes que a nossa, como o Powervolley Milano, o Montpellier ou o Rennes Volley, por exemplo, mas tentaria chegar o mais longe possível, até porque não estamos num ponto onde teremos que escolher entre uma ou outra competição…
As competições europeias são muito importantes para nos dar uma outra realidade e obrigar-nos a ter outro ritmo e contexto competitivo, pois o nosso Campeonato Nacional é demasiado fraco para podermos evoluir para um patamar superior. 
Se queremos ter hipóteses de lutar por algo internamente, teremos que subir para outro patamar competitivo. 

Relativamente ao campeonato, aproveitaria os jogos até ao final para testar algumas coisas e dar minutos de jogo aos menos utilizados.

É facilmente reconhecido que o 6 base, eu diria até 7 base (porque entre o servir e o side out, trocamos o líbero por um central), composto por Maia, Athos/Brown, Dennis, Thiago, Renan e Fidalgo/Gil, está já bastante rotinado. Quando começamos a rodar a equipa e a colocar José Pedro Monteiro, Lourenço, Pernambuco e Hélio, nota-se perfeitamente a falta de rotinas entre os jogadores.
Não vou tanto pela diferença de qualidade entre uns e outros, mas os sectores estão desligados e, como seria expectável, não existem tantas rotinas de jogo quando jogam os menos utilizados. Uma coisa é treinar, outra é jogar.

Uma das lacunas da equipa, sobretudo nos jogo frente ao Benfica, foi a falta de soluções vindas do banco. É, por isso, fundamental começarmos a perceber se as soluções que temos no plantel têm realmente qualidade ou não. E para isso é necessário testá-las em contexto competitivo e de forma consistente. Se o fizermos, não só estamos a tratar do presente, como a preparar o futuro.

Lourenço Martíns está a pedir minutos há muito! Quando Thiago Sens não está bem na recepção, a equipa ressente-se imenso. Renan pouco ajuda neste aspecto, portanto, a equipa necessita de outro jogador com qualidade na recepção para se juntar ao Thiago e ao líbero (o Sporting geralmente recebe a 3). Recordo que Lourenço Martíns foi, na época passada, segundo o site da Federação Portuguesa de Voleibol, o melhor recebedor do campeonato! Entre o final da época passada e o início desta, fez um Campeonato da Europa de grande qualidade e está mais que pronto para jogar. “Contra” Lourenço, apenas o facto de ser um pouco inconstante, o que no voleibol é muito importante, pois cada erro dá ponto ao adversário. No entanto, um jogador só consegue ser mais regular e consistente, se jogar…

Miguel Maia continua a ter umas mãozinhas de veludo, mas, fruto da sua idade, a sua condição física terá que ser gerida com pinças. Zé Pedro Monteiro tem alternado com o nosso capitão, mas já todos conhecem o seu valor. Com as “sobras” fica Francisco Pombeiro… Está na altura de ter mais minutos! Pombeiro chegou com o selo de revelação e está na altura de ter minutos de forma consistente para confirmar, ou não, todo o potencial que se lhe antevia.

Pernambuco é outro jogador na mesma situação que os anteriores. O oposto brasileiro pouco joga e geralmente só entra na parte final de cada set, de forma a dar mais uns minutos de descanso a Dennis. É manifestamente pouco. É certo que Dennis é o nosso melhor atacante e um dos melhores do campeonato (aos 42 anos de idade!), mas se o queremos em boa condição física na Taça CEV e nos playoffs do campeonato, convém começar a poupá-lo um pouco mais nesta fase. Para além do mais, Rodrigo Pernambuco, na época passada, apesar de não ser titular no Sp. Espinho, tinha uma média de cerca de 10 pontos por jogo. Boa média, mesmo para um titular de uma equipa do topo da tabela quanto mais para um suplente. O brasileiro é outro dos jogadores a quem necessitamos de dar minutos para percebermos o que vale noutro contexto competitivo que não o do Sp. Espinho.

Tudo o que disse anteriormente encaixaria também no central Hélio Sanches, embora Hélio, devido às suas características e especificidade do lugar que ocupa, acaba por se inserir num contexto diferente.

Portanto, Gersinho, se me estás a ouvir, ou neste caso, a ler, está na altura de preparar o futuro e de percebermos a real qualidade do nosso plantel. Mete os “miúdos” a jogar!

Numa última nota, as épocas começam-se a preparar antes da anterior acabar e, nesse sentido, recordo-me de uma entrevista que Luke Smith deu ao @AdrienS_1906 n'A Tasca do Cherba (podem ler aqui). A mim pareceu-me que ele está mortinho por voltar. E nós, mortinhos por ter um jogador com as suas características! Fica a dica…  ;)


Saudações leoninas a todos.

tigas68


Comentários